Corrupção


Alerta: PCA da Cidade da China envolvido em vários escândalos de corrupção

2020-01-04 11:53:00

Imagem de destaque

Partilhar isto:

Jack Huang, de 51 anos, tem vários processos-crime na Namíbia onde possui um portfólio de empresas.

A imprensa namibiana refere, por exemplo, que o empresário e proprietário do centro comercial da Cidade da China é acusado de fraude, lavagem de dinheiro e sonegação de impostos, prejudicando o Estado namibiano em 3,5 milhões de dólares

Em Angola, escreve APública, a Cidade da China, controlada pela empresa Hua Dragão – Comércio Geral do empresário chinês, Jack Huang, de 51 anos, detido por suspeita de falsificação de dinheiro, instalou-se no país, em 2014, com o foco nos imóveis, indústria, comércio e de importação e exportação.

Mas de lá para cá, não só de venda a retalho e a grosso que o centro comercial sobrevive, contudo, há quem fale máfia acobertada por supostos governantes, oficiais superiores das FAA e da Polícia Nacional.

Recentemente, fruto de uma investigação aturada dos agentes do Serviço de Investigação Criminal foi possível a detenção de um angolano e sete chineses, incluindo Jack Huang, o suposto cabecilha do grupo, em posse de mais de 50 milhões de kwanzas falsos, na Cidade da China, em Luanda.

A Hua Dragão – Comércio Geral, citado pelo “Jornal de Angola”, terá investido na zona industrial da Cidade da China mais de 4,1 mil milhões de kwanzas, entretanto, o valor global do capital que a empresa pretende gastar está avaliado em 5,2 mil milhões de kwanzas.

O “monstro comercial” situado no Pólo Industrial de Viana (PIV), em Luanda, tem sido atracção de muitos cidadãos que cegamente procuram uma oportunidade de emprego, atendendo os riscos que corre devido à máfia feita no recinto.

O dono do “baromento comercial”, segundo o portal Club-K, é suspeito de lavagem de dinheiro, prostituição, exploração de menores e açambarcamento de milhões de kwanzas.

Ainda assim, a ficha do milionário que também tem a nacionalidade namibiana, não fica apenas pela contrafacção de moeda, pois, que o suposto tráfico de seres humanos para fins comerciais engordam, igualmente, o leque de actividade em Angola.

Além da Namíbia, o império do magnata encontra-se espalhado na África do Sul, Zâmbia, Angola, China e Botsuana, mas, segundo a imprensa namibiana,o empresário é protegido por altas figuras dos respectivos países a troco de luva.

A prática de falsificar moeda por Jack Huang, descreve o jornal electrónico club-k, surge a partir da China onde é contrafeito o dinheiro e depois transferido para o país, envolvendo cidadãos nacionais e chinesas em atividades de lavagem de dinheiro.

Crimes na Namíbia

Na Namíbia, de acordo com o jornal “The Namibian”, Jack Huang é suspeito de ter defraudado o Estado namibiano em mais de cerca de 3,5 milhões de dólares.

Face à situação, o cidadão chinês e seus sete suspeitos acabaram presos em 2017 e libertado mais tarde com uma fiança de 1 milhões de dólares,mas, ainda assim, terá que voltar a responder em tribunal ainda este ano.

Advinha-se que o presumível economista de origem chinesa terá fixado o seu negócio na Namíbia há mais de uma década, visto que aquando da sua chegada a Windhoek, o empresário considerou aquele país como um o local ideal para fazer negócios.

Segundo a imprensa namibiana, um conglomerado de empresas chinesas, contendo uma ligada ao empresário parceiro de negócios e amigo do presidente da Namíbia, Hage Geingob, estão sendo investigadas por fraude, sonegação de impostos e lavagem de dinheiro envolvendo mais de US $ 3 bilhões.

Nas várias investigações que está sendo feitas na Golden Phoenix por crimes financeiros, o milionário nega que seja sócio, dizendo que abandonou a empresa já alguns anos.

As investigações do “The Namibian” indicam Golden Phoenix, com sede em Oshikango, acusada de suspeita de fraude, lavagem de dinheiro e sonegação de impostos está associada a Jack Huang.

Outra empresa suspeita de fraude financeira é a Nam-Dan Import and Export CC, empresa que supostamente empregava o suspeito de caça furtiva de rinoceronte chinês Geng Zhi.

Geingob, através de sua confiança na família, tem uma participação de 20% na African Sunrise Investment; sua ex-esposa Loini tem 20%; enquanto seu parceiro, Jack Huang, possui 60%.