Política


Uma mão cheia de nada: Ministro de Estado de João Lourenço não trouxe nada de novo no caso 500 milhões

2020-02-12 19:35:00

Imagem de destaque

Partilhar isto:

O Ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, referiu na câmara criminal do Tribunal Supremo, hoje, durante o interrogatório, que nunca teve acesso ao processo da transferência dos 500 milhões de dólares, para o suposto financiamento para o País.

A 20. ª sessão do julgamento do conhecido caso 500 milhões de dólares, em que está também envolvidos o antigo Presidente do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, filho do antigo presidente da República, estava marca para às 9 horas e 30 minutos, teve um atraso de quase 1 hora e meia, por demora do ministro declarante.

Já em sede do tribunal, Manuel Nunes Júnior, destacou que nunca recebeu uma notificação do Supremo Tribunal, para explicar o que sabe sobre a transferência dos 500 milhões de dólares, tendo justificado que estava aí “por respeito as instituições do Estado. A informação que estaria no Tribunal, chegou-me por intermédio da comunicação social”, disse.

O advogado de defesa de Valter Felipe, que chegaram a solicitar a presença do declarante do dia, questionaram ao Ministro Manuel Nunes Júnior se esteve presente no encontro do dia 17 de Setembro de 2017, orientado pelo então presidente da República, José Eduardo dos Santos, que visava o informar sobre o processo da transferência dos valores.

Respondendo, o político fez saber que, participou daquela encontro mas, “não sei por que motivo foi convocado, porque naquela altura não ocupava nenhum cargo no Executivo, e estava na Assembleia à coordenar assuntos económicos e financeiros “,sublinhou.

O ministro de Estado para Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, disse também que nunca recebeu algum documento que faz referência ao processo da transferência dos 500 milhões.

Nesta onde de perguntas, os advogados pediram a Valter Felipe que confirmasse às declarações de Manuel Júnior e, este, disse apenas que, “cumprindo orientações do ex-Presidente da República, contactei o Doutor Nunes para lhe informar sobre a transferência, por ser a pessoa que viria a Coordenar a área económica do futuro governo, daí, marcamos um encontro na sede do MPLA, onde apresentei uma cópia do dossier”.

Ainda assim, o Ministro de Estado para a Coordenação Manuel Nunes Júnior, justificou que nunca chegou a receber a cópia deste documento, sobre a transferência dos 500 milhões de dólares. O advogado de Valter Felipe, requereu acareação das várias testemunhas mas, o colectivo de juízes indeferiu ao pedido, tendo justificado que não havia fundamentos para se requer as referidas acareações.

Os juízes aconselharam ainda a defesa de Valter Felipe a fazer diligências junto do Ministério Público (MP) por formas a se obter as declarações de José Eduardo dos Santos

A próxima sessão do processo de produção do conhecido 500 milhões de dólares, retoma no dia 18 do corrente mês, pelas 10 horas, na Camara Criminal do Tribunal Supremo.