Assalto


Polícia de Guarda Fronteira morto por militares da RDC na fronteira da Lunda Norte

2020-07-07 05:52:00

Imagem de destaque

Partilhar isto:

O facto ocorreu no domingo, 05, quando dois agentes se encontravam oficialmente em missão de serviço ao longo da fronteira da Lunda Norte com a RDC, onde se depararam com um grupo de civis, com grandes quantidades de combustível em bidões.

Os dois efectivos da Polícia de Guarda Fronteira, diz a nota da PNA na Lunda Norte enviada ao Na Mira do Crime, tentaram tirar fotografias, convencidos de que se tratava de um grupo de contrabandistas de combustível e outras mercadorias, quando na verdade se tratava de um destacamento de aproximadamente 20 militares da FARDC, localizado a cerca de 300 metros além do limite da fronteira com a RDC.

Os militares da RDC tentaram prender os dois polícias angolanos que, na tentativa de fuga, foram alvo de disparos, um dos quais atingiu mortalmente o agente Maurício Pedro Costa. O segundo conseguiu escapar ileso, apresentando-se, horas depois, à subunidade da Polícia de Guarda Fronteira do Chitato.

Segundo a nota, foram estabelecidos contactos com a parte congolesa para a entrega do cadáver e a devolução da motorizada às autoridades angolanas, o que veio a acontecer às 19h00 do mesmo dia. Mas a pistola de marca “Gericho”, pertencente à corporação angolana e o telemóvel do malogrado não foram devolvidos.

Em Maio, um soldado das Forças Armadas Angolanas (FAA), colocado no destacamento do Mussalala, posto fronteiriço do Furi-3, município do Cambulo (Lunda-Norte), foi alvejado por um militar da República Democrática do Congo (RDC). Um comunicado da delegação do Ministério do Interior informou, na altura, que o incidente aconteceu por causa dos equívocos dos limites fronteiriços entre Angola e a RDC.

Os efectivos das FAA realizavam diligências de reconhecimento operativo num dos pontos da fronteira do lado angolano, onde encontraram um grupo de cidadãos da RDC que devastava a flora, produzindo carvão vegetal. De seguida, caíram na emboscada das Forças Armadas Congolesas, com vários disparos de armas automáticas, que acertaram no pé direito do soldado angolano, que ficou gravemente ferido.