Homicídio


1 milhão de kwanzas: Homicida que atropelou mortalmente a namorada vai esperar julgamento em liberdade

2020-07-21 13:24:00

Imagem de destaque

Partilhar isto:

Um namoro que dura há pouco mais de um ano, entre uma jovem de 27 anos de idade, de nome Edna Bessa, e um senhor de 59 anos, de nome Abel, terminou de forma trágica na noite de domingo, 19, no bairro Morro Bento, rua dos Generais.

 Segundo testemunhas próximas ao casal que falaram em exclusivo ao Na Mira do Crime, tudo terá acontecido depois que, a malograda saiu de casa por volta das 20horas de domingo, 19, e terá voltado duas horas depois, tendo encontrado o namorado em casa.

Esta ausência da Edna, conta a testemunha, acendeu o ciúme do Abel e provocou uma acesa discussão, que ficou mais inflamada depois que, conta a mesma fonte, a jovem terá recebido uma chamada por volta das 22h 45.

“Foi muito rápido, quando saímos, já por volta das 23horas, só vimos a Edna por baixo do carro a dizer conseguiste me matar Abel”, descobriu a fonte, acrescentando que o acusado ainda retirou a namorada debaixo da viatura e levou até a uma unidade hospitalar, mas, a mesma acabou por morrer na manhã de segunda-feira, 20.

 

Detenção e interrogatório

Até agora o NMC desconhece a real identidade de Abel, e qual a sua actividade, mas, o NMC sabe que esteve detido na esquadra da Samba, onde foi interrogado pelo magistrado do Ministério Público, depois de oficiais do Serviço de Investigação Criminal (SIC), terem feito perícia no local do crime, e concluírem que tratou-se de homicídio involuntário, pois, sustentam, a vítima terá se agarrado numa das portas da viatura do acusado, não tendo este se apercebido, arrancou a viatura, que terá proporcionado a queda da falecida, que terá embatido com a cabeça ao solo com gravidade.

Ao homicida lhe foi restituída a liberdade nos termos de residência e identidade pela Procuradoria-Geral da República (PGR), depois de ter pago uma caução de 1 milhão de kwanzas.

Familiares da jovem modelo e estudante universitária, clamam por justiça.   A malograda deixa uma filha de nove anos de idade