Sociedade


Etona homenageia Mulher Africana com a “Deusa da Justiça“

2020-08-01 05:43:00

Imagem de destaque

Partilhar isto:

O artista plástico António Tomás Ana “Etona” apresentou ontem, sexta-feira, 31, em homenagem a Mulher Africana, data que ontem se celebrou, uma imponente obra de arte.

O artista inaugurou assim a “expo tour” que marca o seu regresso à ribalta. A escultura, de três metros de altura e 4 de largura, foi apresentada no município de Cacuaco, em Luanda, e foi testemunhado por entidades do Ministério da Cultura e Governo Provincial, tendo sempre em atenção os métodos de biossegurança.

Em entrevista ao Na Mira do Crime, o artista explicou que a data quem ontem se assinalou e a escultura, têm grande significado para si.

“Quisemos homenagear a Mulher Africana, especialmente a Angolana que é mãe, guerreira, construtora da natureza, educadora, batalhadora e ainda esposa devota”, disse, acrescentando que, na sua visão, existe uma Deusa ao invés de Deus.

“A escultura representa acima de tudo, causas representativas das agruras que a mulher sofre e vem sofrendo neste universo, e mesmo assim consegue muitas vezes de forma dura fazer justiça num estado cego, mas inteligente", referiu, sublinhando que, é preciso que esta ideia seja mantida por toda as gerações.

“Todos somos chamados a esta razão, se a canoa está a afundar não podemos depender de quem está a remar, mais sim cada um fazer o possível para levar a canoa a bom porto”.

Cacuaco berço da Cultura de Luanda

O artista confessou ao NMC que sente-se vaidoso pois, foi surpreendido pela moldura humana que aí acorreu.

“Cacuaco, segundo às minhas investigações, é o berço da Cultura de Luanda, porque tem todas os grupos etnolinguístico do país… e a cultura está nos municípios e não nas cidades que ensinam a comer ginguba com garfo”, brincou.

Euclides da Lomba, director Nacional da Cultura, elogiou o artista pelo feito, tendo reconhecido que o Ministério da Cultura poderia fazer mais pelos artistas que nesta fase muito precisam.

“Estamos a fazer os possíveis junto de bancos comerciais e outras instituições a fim de ajudarmos os mesmos artistas”, garantiu.

A exposição será repousada em vários pontos de Luanda para uma vigília cultural. Poderá ser apreciada nos próximos oito dias no município de Cacuaco, depois estará exposta no Cazenga, Viana e por fim no Município de Luanda.

A Deusa da Justiça foi esculpida com madeira Nacional(Acácias)