Corrupção


Governador quer combate “cerrado” à corrupção na educação

2019-09-22 07:44:00

Imagem de destaque

Partilhar isto:

O governador do Zaire, Pedro Makita Armando Júlia, reiterou, nesta sexta-feira, em Mbanza Kongo, a necessidade do combate cerrado à corrupção, ao nepotismo e outros males conexos no sector da educação.

Na sua breve intervenção na cerimónia de tomada de posse de novos responsáveis do sector, o governante apelou-os a colocarem o interesse público acima dos desígnios pessoais.



“A permanência nos cargos para os quais foram nomeados depende unicamente do vosso desempenho”, alertou o governador, lembrando aos empossados que o novo paradigma da governação do país não se compadece com os vícios que comprometem o serviço público.

Falando à Angop, no final da cerimónia, o director do Gabinete Provincial da Educação, José Luís Amélia, explicou que as mudanças no quadro do pessoal no sector visam imprimir maior dinamismo à ingente tarefa de melhoraria da qualidade do ensino.

Para o novo chefe de Departamento da Educação, Ensino Geral, Ciência, Tecnologia e Inovação, José Mabondo Nsoki, a melhoria da qualidade do ensino passa, necessariamente, pela aposta na formação e capacitação do corpo docente.

O responsável defende que só podem ingressar no quadro do pessoal docente os técnicos formados no ramo e que possuem agregação pedagógica.

Eduardo Mamona Seles, que também tomou posse, antevê desafio na gestão do complexo escolar nº1 de Mbanza Kongo, que a partir do presente ano lectivo deixou de atender apenas alunos do ensino primário, passando a acolher discentes do I ciclo do ensino secundário.

Avançou que a instituição deverá acolher, no próximo ano lectivo, um universo de três mil e 553 alunos nos dois níveis de escolaridade, com um corpo docente acima dos 81 professores.

Tomaram ainda posse, o novo administrador adjunto da comuna do Luvo, Kandu Eduardo Freitas, e três outros gestores de instituições de ensino neste município sede da província do Zaire, nomeados recentemente pelo governador.

Com um universo de 156 mil e 276 alunos matriculados no presente ano lectivo, a província conta com quatro mil e 592 docentes. Tem duas mil 273 salas de aula.